O prefeito de Lagarto, Valmir Monteiro (PSC), continua preso no Presmil, Presídio Militar, em Aracaju.

Reprodução / Prefeitura de Lagarto

Nesta segunda-feira, 25, o advogado criminalista Evanio Moura dará entrada em pedido de Habeas Corpus para tentar obter a liberdade do prefeito.

Valmir se entregou à polícia na última sexta-feira quando foi alvo da Operação Leak.

Também está preso no Presmil Igor Ribeiro Costa Aragão, genro do prefeito.

Os bombeiros militares que atuaram nas últimas semanas em Brumadinho (MG) retornaram para Aracaju no último final de semana. Os cinco militares se apresentarão ao Comando Geral do Corpo de Bombeiros às 9h, no Quartel do Comando Geral (QCG), nesta segunda-feira (25).

Divulgação / SSP Sergipe

Os cinco militares viajaram no início de fevereiro, com quatro cães farejadores e se juntaram a um grande grupo de profissionais que desde o rompimento da barragem atua na tentativa de localizar as vítimas. 

Na oportunidade, o comandante do Corpo de Bombeiros de Sergipe, coronel BM Gilfran Mateus, e os militares que atuaram na missão estarão à disposição da imprensa.

Operação Leak

A Prefeitura de Lagarto, através da Secretaria de Comunicação, informa que nas primeiras horas da manhã nesta sexta, 22, ocorreu uma operação investigativa nas dependências na sede administrativa da cidade. Todos os funcionários que se encontravam ou que chegaram para cumprir seu expediente de trabalho, atuaram de forma a garantir total acesso aos agentes para a operação em questão.

Ao final da ação, foi comunicado pelos agentes que apenas a documentação do contrato da Prefeitura com uma empresa denominada CAOL fora apreendida.

Sem mais para o presente momento, voltaremos a prestar esclarecimentos com total transparência e respeito a partir do desenrolar dos fatos.

A JJ Invest passou a perna na Federação Sergipana de Futebol e em craques como Zico e Júnior, ídolos da torcida do Flamengo.

Arquivo

A ex-mulher de Jonas Jaimovick, dono da JJ Invest, foi impedida ontem, 23, de sair do País.

Michelle Wakslicht foi retirada pela Polícia Federal da área de embarque do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, minutos antes de embarcar em voo da Latam para São Paulo na noite deste sábado.

O destino final de sua viagem era Tel Aviv, em Israel, para onde ia com o filho de um ano de idade.

A Federação Sergipana de Futebol firmou contrato com a JJ Invest em dezembro de 2018, com vigência a partir do primeiro mês deste ano.

A FSF não viu um tostão furado da empresa.

Jorge Henrique / Alese (arquivo)

O advogado criminalista Evanio Moura pedirá na Justiça nesta segunda-feira, 25, Habeas Corpus para o prefeito de Lagarto, Valmir Monteiro (PSC), preso na última sexta-feira.

O prefeito, ao lado de seu genro, Igor Ribeiro Costa Aragão, está preso no Presmil, Presídio Militar, em Aracaju.

Se não conseguir o HC, Valmir pedirá licença para evitar que, depois de dez dias de prisão, seja afastado do cargo de prefeito.


Veja nota do Ministério Público sobre a prisão:

Estão sendo alvo de buscas a sede da Prefeitura de Lagarto, as Secretarias Municipais de Finanças e Administração, o Matadouro de Lagarto, a sede da empresa JML COMÉRCIO ATACADISTA DE FUMO LTDA. e as residências do Prefeito, do genro e de laranjas dele e o administrador do Matadouro Municipal.  

Quatro mandados de prisão preventiva foram expedidos, em desfavor do Prefeito JOSÉ VALMIR MONTEIRO, de seu genro IGOR RIBEIRO COSTA ARAGÃO e os sócios da empresa JLM, JOEL DO NASCIMENTO CRUZ e GILDO PINTO DOS SANTOS.  

O nome da Operação se dá em razão da notícia de vazamento dos pedidos de prisão e buscas que estão sendo apurados, além da notícia de que os principais alvos de prisão saíram de seus domicílios para evitar serem capturados pelas equipes do GAECO e das Polícias.

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Taxa média de desocupação anual nas capitais em 2018: 

  • Porto Velho (RO): 13,7%
  • Rio Branco (AC): 13,9%
  • Manaus (AM): 18,1%
  • Boa Vista (RR): 12,4%
  • Belém (PA): 13,4%
  • Macapá (AP): 18,2%
  • Palmas (TO): 13,7% 
  • São Luís (MA): 16,4% 
  • Natal (RN): 13,5% 
  • João Pessoa (PB): 11,9% 
  • Recife (PE): 16,3% 
  • Maceió (AL): 16,7% 
  • Aracaju (SE): 16,4%
  • Salvador (BA): 16,1%
  • Belo Horizonte (MG): 12,5%
  • Vitória (ES): 12,5% 
  • Rio de Janeiro (RJ): 12,6% 
  • São Paulo (SP): 14,2%
  • Curitiba (PR): 9,4% 
  • Florianópolis (SC): 6,5% 
  • Porto Alegre (RS): 9,5% 
  • Campo Grande (MS): 6,6%
  • Cuiabá (MT): 10% 
  • Goiânia (GO): 7% 
  • Brasília (DF): 12,7% 

Florianópolis, Campo Grande e Goiânia foram as capitais com a menor taxa de desemprego apurada em 2018. Macapá, Manaus e Maceió foram as com o maior índice de desocupação. 

Capitais que tiveram recorde de desemprego em 2018: 

  • Porto Velho (RO) 
  • Boa Vista (RR) 
  • Belém (PA) 
  • Macapá (AP) 
  • Teresina (PI) 
  • João Pessoa (PB) 
  • Recife (PE) 
  • Maceió (AL) 
  • Aracaju (SE) 
  • Vitória (ES) 
  • Rio de Janeiro (RJ) 
  • São Paulo (SP) 
  • Porto Alegre (RS)

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6% no trimestre encerrado em dezembro do ano passado, atingindo 12,2 milhões de brasileiros. A taxa representa uma estabilidade frente ao trimestre encerrado em novembro e um recuo de 0,3 ponto percentual em relação ao 3º trimestre (11,9%). No ano de 2018, a taxa média de desocupação foi de 12,3%, ante 12,7% em 2017.

Carteira assinada

O número de trabalhadores ocupados com carteira de trabalho assinada foi o menor em 7 anos no Nordeste, Sudeste e Sul. No Sudeste, o menor contingente de trabalhadores formais foi registrado em 2017, enquanto no Centro-Oeste havia sido em 2012. 

Entre os estados, foi o menor número de carteira assinada em 13 das 27 unidades da Federação em 7 anos: 

  • Roraima
  • Maranhão
  • Ceará
  • Rio Grande do Norte
  • Paraíba
  • Alagoas
  • Sergipe
  • Bahia
  • Rio de Janeiro
  • São Paulo
  • Paraná
  • Rio Grande do Sul
  • Goiás

Estados que registraram menor contingente de pessoas ocupadas em 2018: 

  • Amapá
  • Maranhão
  • Alagoas
  • Sergipe
  • Bahia 
  • Rio Grande do Sul
Divulgação

Os cidadãos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) devem ficar atentos aos prazos de inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), para que não tenham o pagamento suspenso a partir de abril. A secretaria de Estado da Inclusão, da Assistência Social e do Trabalho (Seit) alerta municípios e população para a necessidade da regularização. Todos os beneficiários não inscritos estão sendo notificados pela rede bancária sobre as datas-limite, e aqueles que fazem aniversário nos três primeiros meses do ano têm até 31 de março para regularizar a situação.

Em Sergipe, 11.475 beneficiários encontram-se em situação irregular. No Brasil, eles somam 1,3 milhões. No total, 59.589 sergipanos recebem o Benefício de Prestação Continuada, dos quais 42.701 são pessoas com deficiência, e 16.888 idosos [públicos-alvo do programa]. Atualmente, o BPC paga um salário mínimo mensalmente a quem tem mais de 65 anos (e não tenha contribuído com o INSS) e a pessoas com deficiência. Preenchem os critérios exigidos pelo programa aqueles que não possuem meios financeiros suficientes para o seu sustento, e comprovem que a renda familiar é menor que o valor correspondente a 1/4 do salário mínimo para cada pessoa da família.

Em todo o país, cerca de 71% do total beneficiários (aproximadamente 3,2 milhões de pessoas) já regularizaram a situação, registrando suas informações no Cadastro Único. Clecivânia de Oliveira Paz é uma delas. Mãe de três filhos, sendo uma com paralisia cerebral, ela conta que não podia correr o risco de perder o BPC, devido à sua importância para a sobrevivência da sua família. “Não sei o que seria da nossa vida sem o benefício. Graças a esse valor a gente compra medicação, fraldas e alimentos para Clécia Vitória; e o dinheiro ainda ajuda a pagar o aluguel”, conta a moradora do bairro Santa Maria, na capital.

A secretária de Estado da Assistência Social, Lêda Couto, destaca a importância da inscrição no Cadastro Único não só porque agora é pré-requisito para o recebimento do benefício, mas também porque permite que os beneficiários do BPC acessem outras políticas públicas. “Uma vez que eles se registram no Cadastro Único, a política da Assistência Social pode conhecer esses beneficiários, e tanto o governo Federal quanto os Estados podem aperfeiçoar os programas e serviços ofertados a essa população”, ressalta.

Inscrições

Foi estabelecido um calendário para inscrição, de acordo com o dia do aniversário de cada beneficiário. Quem ainda não está no Cadastro Único deve procurar o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) mais próximo ou a Secretaria de Assistência Social de cada município. 

Para fazer a inscrição é preciso ter em mãos o Cadastro de Pessoa Física (CPF) e o comprovante de residência. A inscrição também pode ser feita pelo responsável familiar, contanto que leve os documentos de todas as pessoas que moram com o beneficiário: CPF, Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento, Carteira de Identidade (RG), Carteira de Trabalho ou Título de Eleitor e um comprovante de endereço.

Reprodução / SBT

A chamada Máfia dos Shows está sendo investigada em Sergipe.

O jornalista Roberto Cabrini está em Sergipe fazendo reportagens para o “Conexão Repórter”, do SBT.

Ainda não se sabe quando as reportagens serão exibidas.

Reprodução da internet

A Federação Sergipana de Futebol cancelou o contrato com a JJ Invest.

O contrato foi assinado no dia 3 de dezembro de 2018 e a vigência passou a ocorrer a partir do dia 10 de janeiro deste ano.

A JJ Invest não pagou nada em janeiro e fevereiro.

O dono da empresa,  Jonas Jaimovick, foi procurado pela FSF, que não conseguiu localizá-lo.

A federação arcou com os débitos da empresa com clubes sergipanos.


A VERDADE

A tal JJ Invest não tinha nem autorização para funcionar.

Veja o que informa O Globo, neste sábado, 23:

Entre os milhares de investidores que foram lesados pela JJ Invest estão ex-atletas como Zico e Júnior. Os ídolos do Flamengo – time do coração do empresário Jonas Jaimovick, dono da JJ Invest – aplicaram na empresa de investimentos, que não tinha autorização para funcionar, fechou as portas e zerou suas contas bancárias sem devolver dezenas de milhões dos aplicadores .

Evaristo Sa / AFP

A Justiça determinou o bloqueio de R$ 11,5 milhões em bens do atual deputado e ex-governador de Minas Aécio Neves (PSDB) por suspeita de uso, sem comprovação de interesse público, de aeronaves oficiais do estado para 1.337 voos às cidades do Rio de Janeiro, Cláudio (MG) e outros municípios.

A decisão liminar (provisória) foi publicada nesta quinta-feira (21) pelo juiz Rogério Santos Araújo Abreu, da 5ª Vara da Fazenda Pública de Belo Horizonte. Nela, o magistrado também aceita a ação civil pública do Ministério Público e transforma o ex-governador em réu. 

Ele deu prazo de cinco dias para que Aécio apresente bens no valor citado à Justiça. A defesa de Aécio diz que irá recorrer.